Eco Bijous made in São José dos Campos

Olá, encantadas (os)!

Me desculpem o sumiço, mas estava em tratamento médico e tive que dar uma parada com o blog. Agora estou voltando com força total e trarei muitas novidades.

Hoje quero mostrar para vocês acessórios mega originais feitos artesanalmente  por uma marca de São José dos Campos (SP) que simplesmente  fiquei apaixonada. Estou falando da Picotes Eco Bijoux, da designer  Johanna Bakhuizen, criada em 2012 com o objetivo de reaproveitar e transformar materiais que geralmente são jogados fora em bijouterias modernas e sustentáveis.

Antes de ler este post  aposto que muita gente não imaginaria que aquela variedade de cores encontradas nas cápsulas de Nespresso poderiam dar origem a lindos colares e pulseiras.

O processo de produção das peças é minucioso, por isso devemos valorizar cada etapa.

17360698_1365925256783835_1390640982_n
Fotos: Divulgação Picotes Eco Bijoux/ 

 

1) Primeiro a designer deixa as cápsulas secarem ao  sol para que saia toda a umidade da borra, o que ajuda a desgrudar o café da cápsula;
2) Depois corta com um estilete a base prateada e a parte onde fica o filtro da cápsula, tira a borra de café e deixar a cápsula em formato de um cone oco;
3) Na sequência deixa de molho na água por um tempo e se tiverem muito sujas as coloca na água quente. Lava uma a uma com uma escova de dentes para tirar todo o resíduo;
4) Deixa secá-las no sol novamente.
5) Dobra a borda cortante com a ponta dos dedos para dentro para que nenhuma rebarba fique exposta;
6) Com um alicate de ponta longa e chata sem dentes amassa as peças com cuidado para que fiquem bem planas e dobra qualquer rebarba que fique exposta para dentro;
7) Separa por cores, juntas duas a duas com argolinhas para montar colares, dobra bordas e fura os cantos com agulha grossa para montar os braceletes.
received_1365925910117103.jpeg

 

received_1365925953450432.jpeg
Eu adorei esta combinação de cores para usar neste outono-inverno

 

O mais bacana é que as peças são vendidas a preços justos e nós ainda podemos colaborar com a natureza e o trabalho da Johanna, doando as cápsulas usadas aos domingos entre 9h e 13h30 em sua banca na feira de artesanato  do Parque Vicentina Aranha. Lembrando que  não precisa tirar as borras ou lavá-las.

received_1365925926783768.jpeg

Estou deixando os contatos da Johanna, caso queiram conhecer ou adquirir os produtos.
Facebook – www.facebook.com/picotesecobijoux
Instagram- @picotesbyjohanna
E-mail: johannna@picotes.com.br
Telefone: (12) 997589970

 

Anúncios

Gomeral é um dos destinos do Ecoturismo no Vale do Paraíba

IMG_1097.JPG
Fotos: Marcos de Siqueira Lima

 

Hoje trago para vocês uma dica de Turismo da minha cidade natal: Guaratinguetá, no Vale do Paraíba (SP).

Quando chegamos ao  Vale do Gomeral, na Serra da Mantiqueira, a impressão que dá é que estamos pertinho do céu. O silêncio só é interrompido pelo canto dos pássaros. Não é a toa que foi considerado uma das 7 maravilhas de Guará.

E foi neste lugar encantador que o ator Walmor Chagas ( 1930-2013) buscou refúgio na década de 90 e passou 15 anos de sua vida. No vilarejo construiu a Pousada 7 Nascentes  e contribuiu para impulsionar o Ecoturismo na região.

IMG_1103.JPG
Vista do casarão onde viveu o ator Walmor Chagas. Atual Pousada 7 Nascentes.

O nome Gomeral deriva  de uma espécie de árvore chamada Gomeira, abundante na região. O bairro está situado na serra da Mantiqueira, com altitudes entre 800 e 1800 metros, na divisa de Guaratinguetá com Campos do Jordão. Essa belíssima região, com picos, trilhas e inúmeras nascentes e cachoeiras, faz parte da APA Federal da Mantiqueira, da APA Federal do Rio Paraíba do Sul e da zona de amortecimento do Parque Estadual de Campos de Jordão.

Na condição de APA (Área de Preservação Ambiental) as terras são particulares e, portanto, para acessar quaisquer atrativos naturais da região o turista precisa obter autorização do proprietário. No entanto, há guias locais habilitados que podem ser facilmente localizados pelos visitantes.

Entre os pontos turísticos, podem ser destacados a Pedra Grande, um monólito majestoso de mais de 1700 metros, a Cordilheira do Espigão, com sua mata preservada, a Pedra do Macaco, formação rochosa natural que mais parece uma escultura, as cachoeiras do Onça, das Bromélias, das Andorinhas, do Tao do Gomeral, entre outros.O local também serve de rota a  inúmeras romarias de cavaleiros até Aparecida, bikers,  pilotos de off-roads,  e  peregrinos do Caminhos da Fé.

IMG_1106.JPG
Meu companheiro de aventuras e muitos clicks

O Turismo ainda caminha de forma tímida, mas vem se desenvolvendo graças ao envolvimento dos moradores, como é o caso dos empresários Pedro e Vera, proprietários do restaurante Tao do Gomeral. Pena que a entrevista precisou ser feita por e-mail, porque no dia em que estivemos na comunidade eles não estavam lá. Mas não faltarão oportunidades, porque é um desses lugares que você conhece e tem vontade de voltar sempre.

img_6159
O simpático casal Pedro e Vera. Crédito da Foto: Guilherme Kanno

A relação deles com o bairro é antiga. Chegaram há 15 anos, trazendo na bagagem o conhecimento para desenvolver um projeto de inclusão e educação ambiental. Na época a ong que administravam contava com 10 computadores que ficavam sem uso aos finais de semana. Então, Vera, que também é fotógrafa, teve a ideia de criar um projeto para apresentar a tecnologia da informação aos jovens do bairro, e ao mesmo tempo despertar a comunidade para o Ecoturismo, como diversificação da economia local. Já a razão de terem ficado é outra história, que o próprio Pedro conta: “ É paixão e sonho.Paixão que sempre tivemos pela natureza, pelo modo verdadeiro da vida na roça, do ritmo da vida. E sonho que tive na juventude, de que aos 50 anos teria um restaurante, num lugar maravilhoso e que eu mesmo seria o cozinheiro. Mas não foi um sonho no sentido de ideal, foi sonho mesmo, daqueles que se tem dormindo. As condições estavam reunidas e resolvemos encarar. “

Hoje, com o restaurante completando 10 anos de portas abertas, o casal tem ali  a plenitude de uma vida junto à natureza, numa dimensão de aldeia, onde todos se conhecem e se respeitam. O casal segue à risca do conceito de Ecoturismo que, diz que “além da preservação da natureza local, os serviços e produtos também devem ser locais”. Prova disso é que todos os colaboradores do estabelecimento, desde os construtores, jardineiros, cozinheiras e garçons, além dos principais produtos do cardápio, são originários da comunidade.

IMG_1186.JPG
Imagina se eu não fiquei encantada com o mobiliário antigo do restaurante.

Pedro, que também é chef de cozinha,  classifica o cardápio da sua  casa como “gastronomia de montanha”.O objetivo do casal  é aproximar os produtos e valores locais da Serra da Mantiqueira, com as técnicas e soluções urbanas e  clássicas. Na medida do possível, utilizam produtos locais nas receitas, como truta, cabrito, porco, frango, ovos, cogumelo shitake, leite de búfala, queijos e verduras. O carro chef do restaurante  é a truta grelhada, servida com vários molhos. Mas,  disputando espaço à mesa vem a costelinha ao molho barbecue. Também há bastante procura pelo cordeiro na pedra e a batata rosti, além dos cortes de mignon e risotos.

IMG_1188.JPG

IMG_1169.JPG
Fogão a lenha é tudo de bom, né?

IMG_1187.JPG

 

IMG_1170.JPG

Com muito esforço coletivo, a comunidade hoje se orgulha de ter uma variada agenda de eventos, onde antes só havia a tradicional Festa de São Lázaro, o padroeiro do bairro. Outro evento que atrai muitos turistas  é o Festival da Truta, criado há 13 anos e que acontece no mês de julho. Reúne restaurantes com criativos e saborosos pratos à base da truta, pousadas e truticultores da região; além de shows, produtos culinários e artesanato local.Paralelamente, o Tao do Gomeral Restaurante promove, entre várias atividades culturais, o ciclo de concertos “Entre Rios e Sons”, sob curadoria de Bruno Sanches, professor da Fundação Cultural Cassiano Ricardo, de São José dos Campos. Os concertos acontecem todo 2º sábado de cada mês. Já subiram ao palco, os mestres Anderson Chizzolini, Bruno Menegatti, Fábio Miranda, Luiz Cláudio Sousa, Nicolás Sallaberry,  o mestre Ivan Vilela, catedrático de música da USP e diretor da Orquestra Filarmônica de Violas. e o próprio curador, Bruno Sanches. Com isso o bairro vai consolidando sua vocação para um turismo diferenciado, com atrativos para os amantes da natureza, dos esportes radicais, da gastronomia e da música.

IMG_1189.JPG
Não dá para ser estressado com um quintal desses, né?

Como chegar:

Partindo de Guaratinguetá, o acesso ao Gomeral é feito por meio da estrada vicinal Presidente Tancredo Neves, percorrendo 20 quilômetros de asfalto, passando pelo bairro  Pedrinhas, e mais 5 quilômetros de estrada de terra até a comunidade.

Bom, esperam que tenham gostado do post, visitem o vilarejo  e recomendem o roteiro para os amigos. Se compartilharem em suas redes sociais, vou ficar mais feliz ainda  Estou deixando a fan page do restaurante para vocês conhecerem.Tao do Gomeral.

Beijos e até o próxima dica de Turismo!

 

Manteiga de Bacuri favorece a nutrição, energização e bem-estar das peles maduras

Tudo bem, povo maravilindo ?

Hoje o assunto é  envelhecimento da pele. E todos nós passaremos por isso.Com o passar dos anos, a energia celular é reduzida de maneira significativa, e consequentemente, não consegue mais manter o metabolismo necessário para prevenir o aparecimento de rugas, manchas e ressecamento.

make-madura-2-jane-fonda.jpg
A linda Jane Fonda

Mas calma, porque isso não é motivo para desespero. Várias pesquisas e tecnologias de ponta estão sendo desenvolvidas, e com certeza novos produtos entrarão no mercado para atender a essa demanda.

Para garantir a saúde da pele madura, a Beraca, uma das principais fornecedoras de ingredientes naturais e orgânicos provenientes da biodiversidade brasileira para as indústrias de cosméticos, produtos farmacêuticos e cuidados pessoais, desenvolveu a Manteiga de Bacuri, um ingrediente capaz de recarregar a energia das células, nutrir e promover o bem-estar da pele.

Bacuri2_.jpg

A manteiga extraída das sementes do fruto típico da região amazônica é rica em sais minerais, como magnésio, zinco e cálcio ;  possui as vitaminas D2, E e K, além de possuir o aminoácido triptofano, que, na presença de luz, é responsável por produzir a serotonina, neurotransmissor associado à sensação de bem-estar.

De acordo com a empresa, a Manteiga de Bacuri leva a energia da natureza para a pele, pois diferentemente dos produtos sintéticos anti-idade, que focam apenas na redução de rugas e de linhas de expressão, atua diretamente no metabolismo celular.

O ingrediente possui propriedades capazes de influenciar fatores estruturais, como a função da barreira cutânea, que minimiza a perda de água, e a hidratação profunda, o que garante uma pele com um aspecto mais saudável, com mais energia e nutrição.

Com o envelhecimento natural do organismo, a tendência é que a energia celular diminua e, consequentemente, as células não consigam mais manter os mecanismos de proteção e reparação adequados para minimizar os efeitos provocados por ações externas, como poluição, radiação, vento e estresse físico.

bacuri-aberto

Para comprovar o poder de nutrição da matéria-prima, a Beraca realizou testes in vitro com cultura de células da pele, e avaliou a produção de energia celular.  Nas avaliações,  notou-se um aumento de, em média, 40% da energia celular. Além disso, foram realizados testes clínicos com mulheres de mais 45 anos, com a Manteiga de Bacuri em concentrações de 2% e 4%, ao longo de 15 dias. A análise comprovou que, em média, houve uma melhora na integridade da barreira cutânea de 30%, uma redução da taxa da perda de água da pele para o meio externo em 8% e o aumento da hidratação profunda em 15%.

Muito mais do que proporcionar benefícios às peles maduras, a Manteiga de Bacuri da Beraca também tem uma função importante no desenvolvimento social e econômico da região amazônica.  O ingrediente é obtido por meio de um trabalho realizado em parceria com comunidades que comercializavam apenas a polpa do fruto para a produção de alimentos, como doces, sorvetes e sucos, e descartavam as sementes. Após identificar a eficiência das sementes em aplicações cosméticas, a Beraca transformou o que era considerado lixo em uma fonte de renda extra.

Vamos torcer para essa matéria-prima do bem se transformar em uma grande variedade de cosméticos acessíveis à população em geral para testarmos e comprovarmos os resultados, né gente?

Beijos e nos encontramos no próximo post.