Eco Bijous made in São José dos Campos

Olá, encantadas (os)!

Me desculpem o sumiço, mas estava em tratamento médico e tive que dar uma parada com o blog. Agora estou voltando com força total e trarei muitas novidades.

Hoje quero mostrar para vocês acessórios mega originais feitos artesanalmente  por uma marca de São José dos Campos (SP) que simplesmente  fiquei apaixonada. Estou falando da Picotes Eco Bijoux, da designer  Johanna Bakhuizen, criada em 2012 com o objetivo de reaproveitar e transformar materiais que geralmente são jogados fora em bijouterias modernas e sustentáveis.

Antes de ler este post  aposto que muita gente não imaginaria que aquela variedade de cores encontradas nas cápsulas de Nespresso poderiam dar origem a lindos colares e pulseiras.

O processo de produção das peças é minucioso, por isso devemos valorizar cada etapa.

17360698_1365925256783835_1390640982_n
Fotos: Divulgação Picotes Eco Bijoux/ 

 

1) Primeiro a designer deixa as cápsulas secarem ao  sol para que saia toda a umidade da borra, o que ajuda a desgrudar o café da cápsula;
2) Depois corta com um estilete a base prateada e a parte onde fica o filtro da cápsula, tira a borra de café e deixar a cápsula em formato de um cone oco;
3) Na sequência deixa de molho na água por um tempo e se tiverem muito sujas as coloca na água quente. Lava uma a uma com uma escova de dentes para tirar todo o resíduo;
4) Deixa secá-las no sol novamente.
5) Dobra a borda cortante com a ponta dos dedos para dentro para que nenhuma rebarba fique exposta;
6) Com um alicate de ponta longa e chata sem dentes amassa as peças com cuidado para que fiquem bem planas e dobra qualquer rebarba que fique exposta para dentro;
7) Separa por cores, juntas duas a duas com argolinhas para montar colares, dobra bordas e fura os cantos com agulha grossa para montar os braceletes.
received_1365925910117103.jpeg

 

received_1365925953450432.jpeg
Eu adorei esta combinação de cores para usar neste outono-inverno

 

O mais bacana é que as peças são vendidas a preços justos e nós ainda podemos colaborar com a natureza e o trabalho da Johanna, doando as cápsulas usadas aos domingos entre 9h e 13h30 em sua banca na feira de artesanato  do Parque Vicentina Aranha. Lembrando que  não precisa tirar as borras ou lavá-las.

received_1365925926783768.jpeg

Estou deixando os contatos da Johanna, caso queiram conhecer ou adquirir os produtos.
Facebook – www.facebook.com/picotesecobijoux
Instagram- @picotesbyjohanna
E-mail: johannna@picotes.com.br
Telefone: (12) 997589970

 

Um parque que merece ser visitado

 

São José dos Campos, cidade do Vale do Paraíba onde vivo, tem uma infinidade de parques, praças e espaços públicos que oferecem atividades gratuitas à população. Mas eu já elegi o meu preferido, que é o Vicentina Aranha,  e posso dar a vocês uma série de argumentos convincentes.

O espaço sempre manteve sua vocação de acolhimento. Isso desde a década de 20, quando o prédio abrigou um dos maiores  centros para tratamento de tuberculose da América Latina e um dos primeiros do país, além de outras unidades de saúde. A  mulher que dá nome ao parque foi uma dama da sociedade paulistana, expoente de ações filantrópicas em favor dos enfermos de tuberculose durante as primeiras décadas do século XX. Era esposa do Senador Olavo Egydio, membro da irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. Aliás, várias personalidades da cidade tiveram alguma relação com o Vicentina. No site há uma linha do tempo contando toda a história Timeline.

img_3538
Fotos: Marcos Lima, do @focoeimagens

 

img_3544

Com sua arquitetura preservada,  é hoje utilizado pelos moradores para a prática de exercícios físicos e conta com uma série de atividades de lazer e cultura direcionadas a toda família.  Sem contar beleza e imponência  das suas instalações, muito verde e o contato com animais silvestres. A cada quarteirão você encontra uma blogueira fazendo fotos de looks, inclusive eu rs.

img_3609

Em 2006 a Prefeitura Municipal de São José dos Campos adquiriu o Antigo Sanatório, que foi reaberto ao público em 2007. Desde 2011 a AJFAC – Associação Joseense para o Fomento da Arte e da Cultura – como Organização Social de Cultura, desenvolve atividades culturais no espaço e promove a recuperação das edificações com obras de manutenção e restauro. Vamos combinar que não é todo dia que a gente encontra um parque totalmente gerido por uma entidade sem fins lucrativos.

O parque abre diariamente, mas no final de semana a programação é mais extensa, com shows,  oficinas para as crianças, yoga ao ar livre, cinema, teatro, feira de artesanato, de produtos orgânicos e muito mais. No ano passado tivemos a oportunidade de assistir lá show do João Bosco, considerado um dos mestres da MPB, como parte da programação da Festa LiteroMusical. No parque tem um bambuzal maravilhoso e sombra para a gente curtir um som de primeira no domingo.20170212_103455

20170212_112450.jpg

20170212_113422.jpg

Enfim, é um lugar para se respirar ar puro, estar em comunhão com pessoas que amamos, admirar e viajar nas histórias que lemos ou nos contaram. É bom saber que estamos pisando em um solo que sempre proporcionou a cura de corpos e almas de muitos que já não se encontram aqui em nosso  convívio. E você, conhece um parque bacana na sua cidade que gostaria de indicar para meus leitores? Um beijo e até o próximo post.